quinta-feira, setembro 13, 2007

Sem Noção

Que tal fazermos uma campanha para nós mesmos melhorarmos? O que queriam que representasse um povo oportunista, bandalheiro, que não respeita as convenções sociais, que paga propina para a polícia, que atravessa o sinal , que não respeita o pedestre, que explora a empregada doméstica, que tem a lei de Gerson como primeiro tratado a ser obedecido?
Para um povo frouxo, que enxerga os problemas sempre a milhas de distância: não poderia haver nada melhor do que Brasília: "É distante demais, está longe do meu alcance, posso lavar as mãos", diz-se em São Paulo, Rio, Salvador, Recife, Porto Alegre...
Crivella no Rio, Mercadante em Sampa, e os outros senadores que votaram pela safadeza ou se abstiveram, o que dá no mesmo, volta e meia estão perto dos suas bases, e o que faz o povo? Vai persegui-los, espezinhá-los, pressioná-los? Não. Vai para o botequim fazer cara de Regina Duarte e repetir o noticiário atrás de copos de chopp, falar que o problema está em Brasília, sem saber nem o que tem feito a câmara de vereadores da sua cidade.
Onde estão os "cansados"? Quanto sonegaram este mês?
Onde estão os petistas e o primado da ética de ontem? Francamente, que papelão! Faltam glóbulos para avermelhar a cara, como se avermelhou a estrela?
Onde estava a ética de hoje dos tucanos do seu também corrupto governo de tempos atrás, de Jader, que era o Canalheiros de FHC?
Onde estará a ética de hoje do PSOL amanhã, se no poder?
E nós, onde estivemos, onde estamos e onde estaremos?
Muita conversa, indignação meia-boca. Quero ver é atitude nas ruas. Transformação social em si mesmo, de baixo pra cima, sem subterfúgios, sem conversas à boca miuda, sem artimanhas. Sem fazer, no seu universo político possível, a mesma coisa que se critica na política dos altos escalões da cara de pau . Que cada um procure o Calheiros que há dentro de si, e se o achar, o destitua, o expulse, o casse. Que aproveitemos e façamos o mesmo com o Chavez, o Fidel, o Lula, o FHC, o Azeredo, o ACM, o Luis Estevão, o Bush, o Bornhausen, o Garotinho que habita cada um de nós...
Precisamos respeitar e incorporar os argentinos, que por muito menos , tocam o terror nos canalhas. Precisamos de sangue platino nas veias, porque de "latino", só tem mesmo aquele "cantor" que toca nas rádios seu sucesso bem apropriadamente denominado "Sem Noção".
É um desabafo
João Bani

7 comentários:

vera disse...

João
Fui aluna do Pedro II, na época do
AI5,participei de algumas manifestações, mesmo com medo, tinha medo até do meu sobrenome.Mas,eu ia.
Sinto hoje, uma grande apatia nos jovens,nos velhos, nos moços....
É como se uma enorme injeção de anestesia tivesse sido aplicada...
Como chamar à consciencia,um anestesiado.
Concordo com você. Devemos buscar dentro de nós,o picareta,o subornável,o corrupto,o canalha, se acharmos, lixo com eles!
É a velha estória, a limpeza começa de dentro para fora.
Mas será que alguém sabe como trazer um anestesiado a lucidez imediatamente?
É importante acreditarmos que alguém sabe,e que fará!
Que nossos filhos e netos, viverão
a honestidade,a integridade, a saúde e a verdade!

Valéria de Oliveira disse...

Maravilhoso o seu texto João Bani!!! Parabéns. Sou fã das músicas do meu rei - Jorge Vercilo- e seguindo suas marcas consegui achar mais uma pedra preciosa - seu texto-. Sou uma jovem cidadã que quer mudar alguma coisa também.

Grande abraço. Sou fã da música. Amo a arte de tudo .

Danny Reis disse...

É, Bani, pior é que você tem razão...
Pensando melhor: será que não seria o contrário? A gente já anda tão cansado de ver bandalheira... Tão cansado de só se dar mal fazendo tudo certinho... Pagando milhões de impostos, trabalhando sei-lá-quantos dias (perdi essa conta - tenho horror a números!) só pra pagar impostos... E vendo os espertos se darem bem... Não estaríamos nós brasileiros seguindo esses péssimos exemplos?
Enfim, muito se critica que o povo brasileiro é muito passivo, muito pacífico, que nada faz. E aquele que critica (eu, você, a vizinha da porta ao lado, o taxista) não está incluído nesse "povo"? Quem é o "povo"? Só o outro?
Enfim, é preciso fazer alguma coisa, sim! É preciso união. É preciso indignação, mas não a indignação pacífica.
Vamos fazer alguma coisa JÁ?
Beijos!

Maíra cîrtes disse...

Pois é Bani, os brasileiros ainda têm muito o que aprender em termos de política. Sabe, eu acho que deveriam incluir na grade escolar alguma matéria que discutisse o que é fazer política de verdade, assim como na época da Grécia antiga. Isso que a gente vê no Congresso é qualquer coisa menos política. Quem sabe um dia as pessoas que habitam este lindo País abram os olhos e deixem de trocar o voto por um emprego temporário ou por qualquer outra coisa.
Esse é meu desabafo!
Ah, não poderia deixar de falar que vocês arrasarm no show em Salvador! Perfeito!!

Paloma disse...

Pois é.
O povo tem muito o que aprender.
Só espero que não apredam tarde d+.

Beijos.

Luiz Alberto Machado disse...

Valeu, Bani, cada vez melhor!!!
E quando puder confira as novidades nas seções Guia de Poesia, Tataritaritatá, Música, Blogs, enfim, tudo isso na minha home page abaixo. Vou adorar sua visita e comentários.
Beijabrações, bom final de semana & tataritaritatá!!!
www.luizalbertomachado.com.br

Adriana disse...

É Bani, tem horas que dá vontade de ir para o espaço para ficar longe de tanta sujeira aqui na terra, de tanta gente sem escrúpulo...Se ao menos um mandamento fosse obedecido :"Amar ao próximo como a si mesmo" , os nossos problemas desapareceriam. Mas, como não dá para se isolar, a gente tem que pensar que também existem pessoas boas que estão agindo no silêncio e também fazer a nossa parte para tornar nosso mundo melhor...
É isso!